domingo, 15 de dezembro de 2013 - 0 comentários

O meu primeiro amor...


Este verão que passou comecei a gostar do primeiro rapaz a sério, algo tão forte que eu nunca tinha sentido por ninguém... (Conheci-o no fórum da rea simplesmente por mero acaso, naquele dia meti conversa com vários rapazes e ele foi um deles...à medida que fomos falando fomos descobrindo que tínhamos imensa coisa em comum mesmo (nunca tinha conhecido um rapaz assim, pensei bem "um rapaz de Lisboa, vamos lá ver pode ser que daqui surja uma grande amizade!"
Nessa tarde ele conheceu três pessoas, porém fui eu quem lhe chamou à atenção, ele ficou particularmente sensibilizado e chocado ao saber que partilhávamos uma história de vida muito semelhante e que tínhamos muitos gostos em comum. Por essa razão, ele quis saber mais e tentar ajudar-me no que pudesse visto já ter mais experiência. Durante a nossa conversa ele acabou por esquecer que eu era da Madeira e que tinha apenas 17 anos, e começo-me a ver como uma alma gémea, ficou encantando comigo logo no primeiro dia. (O mesmo aconteceu comigo em relação a ele)

E assim foi, trocamos de facebook e fomos falando imenso naquela tarde que se tornará magnifica, e tanto eu como ele queríamos saber mais da vida um do outro... Continuámos sempre a falar, descobri mais um apaixonado (ele) também por Teatro, escrever, gostar de fazer as mesmas coisas, ver as mesmas séries, desejo de querer fazer coisas que não haviam sido feitas até a data, (...) tal e qual como eu (tão bom)! Os dias foram avançando...
Ambos não conseguimos entender nem explicar quer a nós quer a ninguém como chegamos a este ponto, gostando assim um do outro. Num momento estávamos a falar em coisas tristes, noutro a falar de coisas boas, mas principalmente na falta de amor na nossa vida e o como estaríamos bem um para o outro por termos passado por tantas dificuldades e por desejar-mos encontrar alguém que fosse o "reflexo" da pessoa atrás do outro ecrã.
Também nenhum de nós se lembra de quem deu o "primeiro passo" na relação mas no fundo sabíamos que gostávamos um do outro (e que as certezas eram evidentes) e daí as coisas terem evoluído tão rápido e no entanto tão suave.
Os dias foram passando, e a vontade de falarmos um com o outro a cada dia que passava foi cada vez maior. Antes da nossa primeira vez na webcam ele estava receoso, não por ver como tu eras realmente, mas por olhar para ele e ficar desapontado. Simplesmente quando isso aconteceu: Ficámos gagos e sem palavras quando nos vimos os dois pela primeira vez, ele sentiu-se um "tonto" por estar a fazer isto, visto nunca ter feito algo do género. Só lhe passava pela cabeça que, provavelmente por algum motivo, não eu não iria falar mais com ele no dia seguinte.
Porém, continuei a falar com ele e os dias foram passando, aquele "crush", aquela paixoneta que tinha por ele e ele por mim foi crescendo e depressa ele percebeu que realmente me amava . Começou a desejar beijar-me e a querer mais de mim, querer talvez fazer a vida dele comigo. E depois lembrou-se, "ele tem apenas 17 anos, eu tenho 21", começou a ficar preocupado e a pensar se seria considerado pedofilia. Tentou abstrair-se disso e lembrou-se, "ele só vira para Lisboa quando fizer 18", ficou mais tranquilo, ele esperaria esse tempo todo, esperaria o tempo que eu estivesse disposto a esperar, para que um dia pudéssemos estar juntos e sem nada nem ninguém que nos pudesse separar, sejam os meus pais, seja quem fosse.

O tempo foi progredindo e minha guerra com os meus pais também, como um bom namorado e por gostar muito de ti falámos em imensas hipóteses, imensas alternativas para eu conseguir a tal liberdade que tanto desejava e mereço, para conseguir realizar os meus sonhos e para eventualmente estarmos os dois juntos.
Depois ele disse-me: "Neste momento eu tenho a minha vida, a minha cabeça num caos. O que eu que dizer com isto é, sabes que não consigo fazer mais nada por ti além de dar-te o meu apoio, falar contigo e acima de tudo o meu amor. Espero não ter incumbido ideias parvas na tua cabeça e não estar a prejudicar mais a tua vida.
Agora, e querendo ser o mais direto possível contigo: EU AMO-TE com todas as minhas forças, já chorei por ti, já chorei por nós, já fervi a minha cabeça a tentar ajudar-te e sinto-me um inútil por não conseguir fazer mais por ti. Tenho medo, tenho especialmente medo de não te estar a dar o que mereces e o que precisas e tento conter as minhas lágrimas. Portanto tenta ser o mais direto possível quando pergunto: "Queres continuar com a nossa relação? Devemos esperar? Dar um tempo?"
E vou-te amar sempre, eu...eu já sofri mais do que devia durante a vida toda, antes de te conhecer já tinha "atirado" o meu coração para o lixo, mas nunca pensei encontrar ninguém como tu. Eu já me tinha considerado um desperdício de vida, alguém que não merecia ser feliz e fiz um compromisso a mim mesmo "nunca amarei ninguém".
AMO-TE!!! "

Eu falei com ele e esclareci as coisas... e disse que de facto queria continuar com isto e que o amava de verdade. Ainda não tinha estado com ele pessoalmente (a vontade era cada vez mais), mas iria estar para breve ( ele iria vir cá à Madeira nas minhas capas para nos conhecermos e estar comigo) mas depois cheguei à conclusão (que estúpida conclusão) que ele não me podia dar aquilo que eu precisava, amor, carinho, mimos, e à distancia as coisas não funcionavam, então ficamos um para seu lado... O que ele me disse foi se eu chegar mesmo a ir para Lisboa e ambos não tivermos encontrado alguém, podemos pensar em reatar o namoro.
Eu nunca, mas nunca tinha conhecido alguém assim... Foi muito bom e tenho bem consciência que existem bem poucos rapazes agora como ele, porque muitos deles só procuram uma noite de sexo e depois descartam as pessoas como se fossem lixo, e isso é mau, já são poucos aqueles que procuram uma relação séria agora e são poucas as pessoas que estão "disponíveis" para uma relação séria, pois os bons rapazes ou já estão comprometidos ou são como eu ele que estamos à distância mas que nos amamos!


(O tempo foi passando...) e ainda hoje eu sinto isso....
Há poucos dias, estava aqui a atualizar o blogue e no fórum da rea e depois fui ver um post em que falava de quando o conheci, depois fui ver o texto que ele me mandou e desatei a chorar e fui falar com ele...e disse-lhe:
"Sinto falta tua da atenção, das nossas conversas, das nossas trapalhices, dos nossos bons e maus momentos, de quando passávamos horas a falar um com o outro, eu sinto demasiado a tua falta, a tua forma de seres para mim, (...) tu foste o primeiro rapaz de quem gostei mesmo, tu marcas-te sem dúvida, (não sei se já gostei de outros, agora que me coloco a pensar nisso, não sei até que ponto já gostei de alguém de verdade que não tu) - eu acho que talvez tenho um pequenino problema, ou talvez não... conheci-te gostei muito mesmo de ti (como nunca tinha gostado de alguém) tudo bem, depois vou conhecendo mais gente, ... e depois mais, e acabo por ficar interessado por vários (Será isto normal? Será que sofro de poligamia? Ou talvez o mais certo é que eu te tenha amado só a ti!) Quero-te bebé, sinto imenso a tua falta! Gosto imenso de ti! E realmente acho que as coisas só faziam sentido contigo... Nunca senti nada assim por ninguém... apenas quero-te, quero ficar contigo, quero estar ao teu lado poder amar-te e dar-te o que precisas e vice versa. Estou fartinho disto, de sofrer, de não ter amigos (não tenho ninguém aqui, todos me deixam de falar), estou farto de sentir esta angústia dentro do meu corpo, só quero estar bem, me sentir feliz e realizado, só quero estar ao teu lado, só me apetece ir a correr para aí, preciso de fugir daqui!
Eu sei que não sabes o que dizer, não estavas nada à espera disto...a mim também me custou muito quando nos separámos, eu também amei-te muito mesmo, como nunca amei ninguém até hoje.... mas essa parte da ficar interessado noutros julgo ser mais atracão física do que outra coisa, nada comparado com o que eu senti e sinto por ti... Eu já há algum tempo estava com um felling que um dia ia dizer-te isto... eu compreendo e sei que não é fácil voltares atrás, pois sei que fizeste uma promessa, mas... desculpa-me eu já devia ter-te dito isto há mais tempo só que sempre fui adiando, foi uma burrice da minha parte acabar tudo contigo, porque eu sempre gostei de ti, te admirei e te vi como a minha alma gémea, (ao menos tinha atenção, o teu carinho mesmo longe) agora sabes o que tenho NADA, isto custa tanto mesmo! Custa tanto sentir-me como se perdesse tudo, como se fosse um vazio, como se estivesse só no mundo a lutar contra uma batalha impossível....
Podias não estar aqui comigo e não podermos não ter tido contato físico devido a isso, mas ao menos sentia-me amado, feliz, tu punhas-me animado depois daquelas horríveis discussões com os meus pais, ... e agora, agora sinto-me como lixo, como se fosse nada! E acho que o mais importante neste momento é sentir-me amado e relativamente bem...o resto virá depois!
Juro-te não sei que fazer a esta mágoa que sinto, não sei que fazer da minha vida, está tudo mal, preciso de um recomeço, de ti ao meu lado, recomeçar de novo, do zero, passo a passo...
Sim, mais dia menos dia sei que refaço a minha vida (quando fizer 18 anos) fora daqui mas para chegar a esse dia, ainda demora e muito, não sei se consigo esperar! E os meus pais estão sempre a me espicaçar a dizer que as coisas vão correr mal, que vou dar razão a eles no final de contas e blá, blá, blá."
Depois ele disse-me: "Sabes que aconteça o que acontecer eu estou sempre ao teu lado e ajudo no que for possível, e quando vieres para Lisboa, eu vou estar sempre presente, dentro das possibilidades, ajudar-te a encontrar o teu lugar e alguém que te ame e respeite. Acredita quem existem ainda algumas pessoas que valem a pena" E eu respondi-lhe: "Tipo TU"
E depois perguntei-lhe se o amo-te que ele tinha me dito inicialmente ainda era válido, ao qual ele respondeu: "Eu amo-te sim, mas o meu amor por ti agora é outro, amor de amizade", e eu perguntei se isso não podia mudar, e ele: "Não tão cedo babe, eu gosto duma pessoa!"

Fiquei um bocado triste...porque quero-o de volta! Ele sim tenho a certeza de que o amei de verdade...quando aos outros as certezas já não assim tão válidas! Mas ao menos sei que ele é meu amigo e gosta de mim e está aqui para me ajudar... Quem sabe o destino não me reserve alguma surpresa e todos os planos traçados por nós, não se venham a concretizar!
Esperemos que a vida nos reserve dias lindos e recheados de coisas boas e poucas amarguras!

E assim foi o meu primeiro amor... 

0 comentários:

Enviar um comentário