segunda-feira, 23 de dezembro de 2013 - 0 comentários

Aquela esperança...avivou-se!




Ainda tenho aquela esperança de que algo possa ser feito por mim...na passada quinta feira estive a falar com uns contatos...falei com uma pessoa um médico que já exerce profissão há mais de 20 anos, e presidente da associação CASA ...e fiquei a saber que afinal já lhe passaram pelas mãos tantos casos como o meu... De fato, é impressionante e surpreendente como existem tantos e tantos jovens numa situação igual ou pior que a minha em que, segundo ele: "ainda hoje os pais tem uma enorme dificuldade, sem terem que ter...em aceitar tal realidade, que se atrevem a chamar doença, maluqueira, opção, escolha e outras asneiras iguais ou piores..." - é tão triste isto!

Eu: "Estou mesmo desesperado e já passou um ano desde que eles descobriram... Já contatei todas as associações e mais algumas que conhecia e fui conhecendo, mas infelizmente a resposta era: "Desculpa mas infelizmente não podemos fazer nada por ti, dado seres menor de idade tens de aguentar...", eu penso e vou pensando, tem de haver algo que se possa fazer... eu não posso viver num ambiente assim... é mau, muito mau e eu não quero voltar a ter de tomar antidepressivos, medicamentos para dormir, calmantes.... O meu estado emocional está muito debilitado e vou decerto levar um tempo a recuperar-me, eu nem sei como, mas ainda tenho aquela esperança que alguém me poderá ajudar, que se iluminara uma luz ao fundo do túnel...."

Médico: "Em Portugal para conseguir fazer alguma coisa efectiva e com qualidade demora séculos e principalmente para as pessoas que não tem séculos, para as pessoas que estão exaustas como você, apenas por gostarem de pessoas que, por acaso, são do mesmo sexo. Acho que não chega, acho que tinha que ser para ontem, e não para amanhã mas estamos em Portugal - país de fado, futebol e Fátima, pais em que os portugueses são analfabetos sexuais e emocionais. Gostaria muito de ter a possibilidade de me meter num avião e ir já para a Madeira para falar consigo, para lhe dar um grande abraço e para acima de tudo poder falar a sós com os seus pais e lhes mandar uns berros valentes do alto dos meus 52 anos e pelo factor de ser médico e sexólogo e andar nisto há mais de 20 anos e penso que a mim me ouviriam, ate porque eu sei se meigo quando é preciso mas sei impor-me quando é obrigatório, mas eu não tenho esse jacto, o que posso fazer por si em concreto? Não, não o vou despachar nem para a amplos nem para a ilga - não há resultados concretos!"

Alguns projetos que visam apoiar a juventude LGBT:
  • Projeto Tudo Vai Melhorar (It get's better project - projeto mundial de luta contra o bullying homofóbico); 
  • Programa de televisão: Sexualidades, Afectos e Máscaras ( Emissão: quartas-feiras às 21h30 com repetição ao Sábado às 21h e Domingos às 22h.Canal 158 Zon, 17 Cabovisão e MEO KANAL 620232). 

Eu: "É porque eles tem a mania que sempre estão certos, não adianta o que você possa dizer, é o que tenho visto com os outros médicos e psicólogos a quem fui ate hoje! Eu próprio já contatei a AMPLOS a doutora Margarida Lima de Faria disse que podia falar com a minha mãe via Telefone, mas ela recusa-se... Eu ainda perguntei se ela podia deslocar-se de avião cá para vir pessoalmente falar com os meus pais e ter uma conversa séria...mas é praticamente impossível dados os custos de deslocação! Mas não há nada que se possa fazer? Contatar alguma instituição sei lá? A fim de eu conseguir começar o novo ano noutro sitio, e organizar a minha vida isto porque está tudo mal!"

Médico: "Desculpe dizer-lhe mas a maior parte das instituições em Portugal não funciona!!"
A maioria das associações/instituições (LGBT) existentes em Portugal não funcionam e de fato já pude comprovar isso por quase todas as que contatei... O médico também me indicou um rapaz daqui da ilha que já passou pela mesma situação do que eu e que agora encontrou estabilidade, a fim de falar comigo e eu ter alguém próximo com quem pudesse desabafar, indicou-me também um psicólogo que faz parte da mesma associação e pela primeira vez vejo que algumas algumas pessoas estão dispostas a me ajudar e se importam comigo e com o meu bem estar!

Eu: "O meu padrinho do Crisma vem cá este Natal, se sequer ele me pudesse fazer algo por mim... conversar com os meus pais não adianta... Mas sim agir... levar-me com ele e deixar-me com alguém em Lisboa ou coisa assim... o problema são os meus pais, a maneira de ser deles, iriam olha isso logo como rapto... e é por isso que ninguém da minha família quer se meter porque depois dá porcaria e gera-se uma guerra aberta! Eu sinceramente só acredito no "it get's better" no dia em que eu sair daqui e recomeçar e organizar a minha vida!

Médico:"Há gente que se preocupa consigo o que significa que não está sozinho. Chega?
Claro que não... Mas...lembre-se que não está sozinho!!!"

Eu: "Sim exacto e ainda bem... o problema que tenho, é que praticamente ninguém acredita no tormento que tenho passado porque os meus pais transmitem uma imagem muito boa pela frente! E custa às pessoas acreditar no que eu digo, porque os meus pais arranjam sempre maneira de dar a volta e de colocar a culpa sempre em mim Já estive para ai em 6 psicólogos diferentes... E só uma é que acertou, e foi a única pessoa que até hoje disse à minha mãe sem papas na língua: "Você não aceita o seu filho, se continuar assim vai acabar por perdê-lo", nessa consulta de psicologia eu fiquei fora de mim...e disse a psicóloga que já não aguentava mais viver nesta casa e com estas coisas! Depois a minha mãe tendo a mentalidade que tem ficou contra, disse que ela não era psicóloga nenhuma, disse que tem tinha arranjado a psicóloga não era boa pessoa (a minha prima) .... e disse que essa psicóloga queria me roubar à minha mãe! E depois ela não quis que eu fosse mais a ela ... ainda cheguei a ir mais uma vez, e contei-lhe porque pus-me a pensar "Bem irei ser sincero com a minha mãe a ver se isto melhora, mas não piorou" , a minha mãe insinuou que a psicóloga era "Lésbica e que não era profissional de saúde nenhuma e que iria apresentar queixa" Os outros 5 não me compreendiam, não percebiam o meu sofrimento e as coisas que contava! Sei lá que raio de psicólogos eram estes... aqui as pessoas são retardadas, uns diziam que a culpa era minha que os meus pais tinham de cortar tudo, pc, telemóvel, etc Nunca me dava razão a mim e procuravam sempre respostas tontas e tortas para o meu sofrimento, uns ainda disseram-me "Tu queres obrigar os teus pais a aceitar-te à força, isso não pode ser assim" Falar da boca para fora também eu falo, eles sabiam lá, nem fazem ideia do inferno que eu passo dentro desta casa dia após dia..."

Médico: "É eu pena que a Madeira não seja daqui a 300Km...eu oferecia-me para levar toda a equipa de sexologia da CASA para irmos de graça fazer um conjunto de conferencias de graça, para ensinar essa gente!!!!!"

Eu: "Pode crer mesmo que sim... bem precisavam! É que a minha mãe pela frente faz um papel muito bem feito, e depois fico sempre mal e praticamente ninguém acredita em mim... acredite eu garanto-lhe se eu já tivesse conseguido ir-me embora já tinha ido! O problema é que preciso de ajuda e orientação de alguém... Isto tudo tem abalado comigo muito mesmo, o meu estado psicológico está muito debilitado e afetado! Tive consultas de pedopsiquiatria... mas foram uma desgraça das maiores, eu saia de lá pior do que entrava.. "Mais uma vez, os meus pais desmentiram tudo....e puseram-me como um mau da fita Eu disse em plena consulta que eles estavam a me matar aos poucos, e a médica disse que eu estava a exagerar! E que não era para ser assim... Eu disse a médica que ela não sabia o que se passava dentro da minha casa... Ela diz que eu tenho que ceder....e sair com os meus pais, e ceder as coisas e ajudar e fazer coisas em casa! A médica diz que eu também só lhes vou dar valor quando lhes perder.... A minha mãe foi lhe dizer cenas do tipo: "que eu queria estudar longe daqui", "que os olhava com ódio", "que mal parava a mesa", "que passava o tempo todo no pc", também que eu tinha dito que era melhor me porem fora de casa do que viver assim" e etc. A minha mãe diz que a felicidade não importa agora e que eu tenho de tudo para ser feliz... Mas na realidade não tenho falta o essencial e o que dinheiro não paga, amor, carinho, afeto, ternura..." Pudera, lógico se eles me fazem sofrer quero me afastar deles o máximo que puder! E a medica não percebia o meu sofrimento nem lhe valia explicar as minhas razoes que ela não vai entender! Os meus pais conseguiam sempre dar a volta... e por a culpa toda em cima, eu contava-lhe as coisas ela confrontava-os e eu ficava mal e de rastos!

A minha mãe diz que eu não tenho idade para me assumir, tudo por causa que pessoas da minha família metem-se na minha vida... Que raiva e vem as coisas que escrevo no face e metem a colher (mas tratei disso e proibi as pessoas de ver o meu perfil)... Querem me lixar a minha vida e dizem que a felicidade da tempo... que só la prós 30 anos! Dizem que eu agora tenho que estudar ir pro universidade, e só depois andar com alguém... eles não percebem...o quanto custa estar sozinho, carente e sem alguém, já estou farto de sofrer por causa deles e familiares andam sempre a falar em mulheres e se ando com raparigas ou não, isso tira-me tão do sério, se já sabem que eu o sou deviam calar o bico e não me martirizar nem fazer me sentir mal e sofrer, e pelo que parece-me são tecla 3 querem me mudar à força, tão sempre a dizer hoje pensamos duma maneira daqui a dois dias já pensamos doutra, tu ainda vais ver o que vais gostar! Tu não sabes nada! Tu és um inútil, não fazes nada, és vadio, és arrogante, frio, estúpido, ...
Eu sinto que preciso mesmo mesmo de sair daqui senão explodo ... custa-me dia após dia acordar e ver tudo na mesma, ultimamente é discussões todos os dias desde à muito tempo, já cheguei ao ponto de saturação... E houve uma vez em que ia cometendo um pequeno disparate "Tomei 3 calmantes de 0,25 mg e só devia ter tomado 1, já estava tão exaltado que foi tipo como se não pensasse" e tantas vezes que pensei em pegar nos malditos dos comprimidos e tomar uma dose excessiva, ir para ao hospital a ver se com essa desgraça, os meus pais acordavam para a vida (sei que não era uma coisa boa, e que podia ter consequências fatais) ... é porque o que eu vejo é que a bomba tem de rebentar.... tem de acontecer uma desgraça enorme, para talvez as coisas mudarem... (Mas eu já nem penso praticamente nisso.) Eu sei que ainda tenho muito para dar ao mundo, e que hei de ser um orgulho ainda para muitos!

A psiquiatra ainda dizia tu tens uns bons pais e nem sei que e nem sei que mais... Já me deu dois ataques de ansiedade e não foram nada bons, foi muito difícil de controlar-me, começo a hiperventilar e quase sem oxigénio a chegar ao cérebro... E agora não me posso exaltar nem me inervar demais... que já se tudo descontrola e fico aflito! Os meus pais também me queriam por no internamento psiquiátrico cá da ilha...porque eu andava ate as tantas da madrugada na internet, os meus pais ponham-se à escuta das minhas conversas, não me dão privacidade ainda hoje... Querem controlar tudo tudo e tudo!

E a minha mãe já me levou também a uma astróloga, que tortura que foi ela não me pode fazer isso ainda me faz sentir pior:
"A mulher fez-me a carta astral e disse que eu era um "dom ruan" super atraído pelo sexo oposto, e disse que eu não era homossexual e mostrou-me um livro em que estava escrito isso... e disse que isso tinham sido influencias e coisas da minha cabeça, que por tanto odiar os rapazes quando sofri de bullying passei a gostar deles....disse que eu era um fantoche, e que não podia gostar de alguém do outro lado do ecrã... E que tinha que ser homem, e que não precisava de assumir nada, e bla bla! E que os gay's eram todos muito homens e que tinha de ter cuidado porque nunca se sabe quem esta do outro lado do ecrã...e cuidado com o trafico de órgãos e nem sei mais que cenas, e que estavam a me influenciar para eu sair daqui. E que eu tinha que sair de casa e socializar com amigos... e que tinha que conhecer pessoas e não ficar todo o dia no pc... E disse que não era preciso me mostrar, que não podia pintar o cabelo ou me vestir como quisesse porque senão era pior que José Castelo Branco" E quem mandou a minha mãe ir lá foi a minha avó, e acho que ela ainda pagou (consultas e tratamentos) Já vi mensagens no telemóvel da minha mãe a dizer a senhora que eu estava completamente alterado que era para fazer qualquer coisa! Que mulher mais tonta!!!E depois a minha mãe a as vezes diz que não tem dinheiro para comprar-me roupa mas para essas coisas tem, é tão engraçado!"

A minha mãe também já me disse: "Pensei que eras meu amigo e gostavas de mim, não sei que tempestade vai na tua cabeça, eu ao pé de ti ate me sinto um cachorro, por tu não gostares de mulheres! (Isso não se diz a um filho nunca!) Tu tens de pensar na tua vida e apenas um dia mais tarde podes vir a estar com um rapaz!" Está literalmente a me impedir de viver a vida, não posso fazer nada, não me deixam sair, não tenho liberdade..."

Médico: "Eu faço consultas há mais de 20 anos...infelizmente esse discurso nojento é tão mas tão habitual...infelizmente..."

Um bem haja a este médico, finalmente após tanto tempo recebo uma resposta decente e válida, luz ao fundo do túnel há vista!

Estive então a conversar com o psicólogo e das primeiras coisas que ele me disse foi o seguinte: "Sabe que sendo menor de idade... É possível agir legalmente de forma a retira-lo da família onde se encontra atualmente! Não querendo adiantar nada, a primeira coisa que lhe tenho a dizer é mesmo esta... sendo menor de idade continua a ter direitos que lhe assistem. Tem direito a uma vida digna e saudável e feliz, num lar acolhedor..." e falamos sobre alguns aspetos a serem trabalhados!

Finalmente um dia produtivo!

0 comentários:

Enviar um comentário